Tumblelog by Soup.io
Newer posts are loading.
You are at the newest post.
Click here to check if anything new just came in.

October 05 2012

14:17

O Livro 'Gritos Verticais' Recebe o Prêmio Literarte: 'Melhores Livros de Poesias 2012'

.
. . PRÊMIO 'MELHORES LIVROS DE POESIAS 2012' . No dia 14 de setembro de 2012, em cerimônia realizada no Palácio de Cristal, na belíssima cidade de Petrópolis (RJ), o livro 'GRITOS VERTICAIS' foi agraciado com o Troféu 'Cláudio de Sousa', conferido pela Associação Internacional  de Escritores e Artistas (LITERARTE), na categoria: 'Melhores Livros de Poesias 2012'. . Deixo aqui registrados os meus mais profundos agradecimentos a Bárbara Pérez, Izabelle Valladares e Dyandreia Portugal.  . . . . Leia também: Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

September 29 2012

10:58

Homeopatia


(Foto: André L. Soares)
. . .
HOMEOPATIA
(André L. Soares)
.
Não vou curar as partes do seu corpo,
posto que ser humano é ser inteiro;...
porque o remédio, pra ser verdadeiro
tem que contar o ser pelo seu todo.
.
Tratar somente as partes é um engodo,
se não sei qual sofreu do mal primeiro:
– ao invés de dar à dor um cativeiro,...
melhor é dar a tudo um bom reforço.
.
E se tal dose deixa forte o são,...
quando aplicada em cota comedida
no ser que sofre, ao certo fará bem.
.
Assim não resta à doença qualquer vão,...
tampouco a cura torna-se agressiva,
pois não faz mal a outro órgão, mais além.
. . . . . Soneto vencedor do III Concurso de Poesias do Instituto Hahnmanniano do Brasil (IHB), em agosto de 2012. . . .
. . Leia também: Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

August 10 2012

15:26

CELSO BLUES BOY – O CAVALHEIRO DO ROCK ‘N ROLL!

– André L. Soares –

.

Amante de todas as artes, tive – ao longo de quase quarenta e oito anos – a imensa felicidade de vivenciar centenas de shows musicais: cinco deles, de Celso Blues Boy – quatro em Brasília e um no Rio de Janeiro. Em todos esses espetáculos me deparei com um músico em constante e astronômica ascensão. Guitarrista genial, cantor, poeta e compositor de talento ilimitado, Celso tocava melhor a cada show. 

Não bastasse isso, Celso Blues Boy era educado e gentil para com o seu público. Em todos os shows, nunca se negou a fazer poses para a – cada vez maior – legião de fãs munidos de máquinas fotográficas. Ao perceber que alguém queria fotografar, ele vinha até a beirada do palco, chamava outros membros da banda e, para deleite da plateia, tirava solos de guitarra, ao mesmo tempo em que fazia caretas e gestos de muito estilo – bem próprio dos guitarristas.

Certa vez, às vésperas de um espetáculo a se realizar no Teatro Nacional Cláudio Santoro, também em Brasília, convidei uma namorada para ir ao show do Celso. Ela torceu o nariz, alegando que não gostava de blues. Insisti. Ela acabou aceitando. Ao final, ela estava totalmente maravilhada com a força das músicas e sua opinião sobre esse estilo mudara a partir de então.

Mesmo quando já adoentado, Celso Blues Boy nunca deixou de ser um gentleman. Após o show, ia ao camarim, tomava banho, perfumava-se e voltava para dar autógrafos e permitir que se tirassem mais fotografias. No show em Brasília, no Teatro dos Bancários, em 1997, sua mulher solicitou aos fãs, cheia de preocupação: ‘– Por favor, sejam rápidos, porque o Celso está muito cansado’. A tentativa teria sido válida se a fila não fosse imensa. No entanto, apesar da visível estafa, ele recebeu cada um com extremo carinho e atenção. A mim, ele autografou o ingresso, apertou minha mão com suas duas mãos e me agradeceu por eu ter ido ao show.

Imagina! Sou eu a agradecer eternamente pelos quase quarenta anos de blues e de rock and roll de altíssima qualidade; por quase quarenta anos de canções e acordes maravilhosos, que nada deixaram a dever aos grandes bluesmans norte-americanos; por quase quatro décadas de espetáculos incríveis, em que o baixo preço dos ingressos jamais traduziu a grandeza de sua arte. Muito obrigado, Celso, por tanta primazia e dignidade conferidas à música popular brasileira.

Agora nos restam os discos e as fotografias – modernos acessórios da memória – a nos mostrarem que Celso Blues Boy, o homem que ensinou Português ao blues… SEMPRE BRILHARÁ!

.


Filed under: arte, blues, Brasil, música, poesia, rock and roll, show Tagged: arte, blues, bluesman, Celso Blues Boy, guitarra, música, rock and roll

August 01 2012

13:15

Posse na Academia de Artes, Cultura e Letras de Marataízes - ES.


. . . Em 14 de julho de 2012, em cerimônia realizada no Palácio das Águias, tendo Nara Leão como patronesse, fui empossado na Cadeira n.º 16 da Academia de Artes, Cultura e Letras de Marataízes (ES). . Registro, aqui, meus agradecimentos à Bárbara Peres, presidente da academia; bem como a todos os parentes, amigos e demais presentes. . . . . Leia também: Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

June 02 2012

14:34

Segundo Lugar - III Prêmio Literário Legislativo de Caçapava do Sul

.
.
.
Em 10 de maio de 2012, meu poema intitulado 'Fugindo Numa Tela de Van Gogh' conquistou o 2º Lugar no III Prêmio Literário Legislativo de Caçapava do Sul (RS), na categoria 'Poesia - Comunidade'.


O evento contou com a participação de 433 inscritos, oriundos de todo o Brasil, além de escritores de Japão e Suíça.


A partir deste concurso, foi produzida antologia, com os premiados em cada uma das categorias (conto, crônica e poesia).


Deixo aqui meus sinceros agradecimentos aos membros da Câmara Municipal de Vereadores de Caçapava do Sul (RS), bem como aos membros da Casa do Poeta Caçapavano, pela competência na organização do evento.


Parabenizo também a todos os participantes. E até a próxima! 
.
.
.

.Leia também:Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

February 09 2012

15:00

NUNCA O MUNDO TEVE TANTOS IMBECIS NO PODER, AO MESMO TEMPO!

– André L. Soares –

.

Não sei se já são os efeitos da crise na educação mundial, surgida a partir dos anos 80, mas o fato é que, em quase todo o globo terrestre, os imbecis finalmente chegaram ao poder.

Tornou-se evidente, já há algum tempo que, nos principais países, a política está em mãos erradas. No entanto, vive-se agora o pior momento. Não são somente corruptos e omissos os que se apossaram do poder. Sim – são também isso, quase todos esses líderes. Mas a questão é ainda mais grave: nenhum deles possui o menor talento para administrar a própria ganância.

É como se alguém roubasse a galinha dos ovos de ouro, apenas para matá-la e fazer um cozido.

Por isso há essa crise econômica que se renova, sem que as nações européias consigam fugir do círculo vicioso de dívidas que crescem como bolas de neve. Também por isso há a intermitente agressão ao meio-ambiente – em nível cada vez pior. E, ainda pela mesma razão, há o crescente avanço do narcotráfico sobre o poder público.

.


Por mais que seus currículos enganosos digam o inverso, a verdade é que, Barack Obama, Dilma Rousseff, Angela Merkel, Nicolas Sarkozy, David Cameron, Mário Monti, entre outros… não possuem a mínima capacidade para gerir seus respectivos países.

São, todos eles, lentos, incompetentes, fracos de personalidade e inteligência, sem espírito de liderança e sem coragem suficiente para conduzir negociações e fazer com que as medidas necessárias sejam tomadas. Nenhum deles possui visão de longo prazo. No máximo, repetem, em seus discursos vazios, variantes acadêmicas de teorias há muito falidas. Em suma, são meros capachos neoliberais (escravos da ciranda financeira), que tudo fazem para evitar a intervenção do Estado, mesmo quando é óbvia a gravidade dos acontecimentos.

Não é que eu queira jogar pedras para todos os lados. Mas as notícias não deixam dúvidas acerca da insanidade mental dos líderes mundiais – a quem eu sequer confiaria a administração de um prédio de três andares, situado no subúrbio.

E olha que só falei de incompetência. Nem entrei no mérito da má-fé e da improbidade.

Porém, o problema é muito sério. Comparando-se com o começo do século XX, o atual cenário leva a crer que se está próximo de viver, novamente, a maior catástrofe que pode se abater sobre a raça humana: outra guerra mundial!

.

.

.


Filed under: desrespeito, dinheiro, direito, educação, filosofia, imbecilidade, modernidade, mundo, pobreza, politica Tagged: corrupção, crise econômica, guerra mundial, imbecis, líderes, liberais, narcotráfico

December 23 2011

18:59

Close

 (Foto: André L. Soares)
.
.
.

CLOSE
(André L. Soares)
.
Quando
a saudade
se converte
em canto
agudo,
vejo um filtro
sobre as imagens
– quadro a quadro.
Em um segundo
é teu rosto
sorridente,
sobrepondo-se
a tudo.
.
Como num filme,...
protagonizas
minha vida
e meu mundo.
Então, foco
em ti
minha objetiva,...
todo o resto
sendo só
pano de fundo.
.
.
.
.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

November 28 2011

22:30

GRITOS VERTICAIS – Enfim,… saiu o livro!

– André L. Soares –
.
A partir de hoje está à venda, por meio do link abaixo, o livro ‘Gritos Verticais’, de minha autoria:
.
Clique aqui para adquirir o livro
.
Disponível nas versões impressa e e-book, o livro, que reúne textos inéditos e outros já conhecidos do público on-line, apresenta cerca de duzentos poemas, os quais versam sobre os mais variados assuntos, abordando desde o amor até a filosofia, desde a infância até a política, passando também pelo surreal, o abstrato, a teologia e o engajamento ecológico.
.

.
.


Filed under: arte, Brasil, consumidor, filosofia, literatura, poema, poesia, prosa Tagged: arte, Gritos Verticais, literatura, livros, poema, poesia, prosa, vendas

November 18 2011

23:35

Soneto da Razão do Louco

(Foto: André L. Soares)
.
.
.
SONETO DA RAZÃO DO LOUCO
(André L. Soares)
.
Se controlado, então passo a ser outro,...
mas, se me mostro livre e original,
a sociedade prima pelo igual
e logo diz que sou só mais um louco.
.
Se invento coisas, tal um deus absorto
– posto que em mim existe um mundo real –,
alguém me interna; e pra curar o ‘mal’...
...ganho torturas para a mente e o corpo.
.
Mas, alguém sabe sobre o certo e o errado?
Por isso indago;... e quem puder me diga:
– Serão malucos todos em suplício?
.
– Quem mais merece estar dentro do hospício:
o homem insano,... pronto para a briga?
ou,... o homem normal,... passivo feito gado?
.
.
.

. Leia também: Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

September 07 2011

16:53

Pirita

(Foto: André L. Soares)
.
.
.
PIRITA
(André L. Soares)
.
Tolos.
Dez mil anos
e ainda somos
tolos.
Metais e pedras
são nossos
tesouros.
Matamos tudo
que há de mais
precioso.
Meros carrascos
em peles de
lobos.
A qualquer coisa
respondemos com
fogo;...
e não sabemos
ter paz.
.
.
.






. Leia também:Gritos Verticais / O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

August 02 2011

23:40

Galope Surreal


(Foto: André L. Soares)
.
.
.

GALOPE SURREAL

(André L. Soares)

.

Entre deuses e mundos infindos,

saúdo Netuno, que é meu irmão;

depois de milênios vivendo em seu reino

me lanço no espaço obscuro do céu,

fui brincar com Atena no anel de saturno

e plantar em Mercúrio um novo sorriso,

pra louvar o amor de Dadá e Corisco,

com as bênçãos de Gandhi e Jubiabá!...

Voando sereno, nas asas do sonho,

montado em Pégasus,

nesse galope interestelar!

.

E se o mar é miúdo pra minha nau,

o bem e o mal não são páreos pra mim;

feroz como um raio, parto pra marte,

no grande estandarte: o Corão e o Pasquim;

Medusa sugere o caminho pro sol,

mas cruzei a galáxia guiado por Thor

e vi doze sereias amarem Narciso,

felizes, ao som de Dodô e Osmar!...

Voando sereno, nas asas do sonho,

montado em Pégasus,

nesse galope interestelar!

.

Numa lua de Urano: oceano de luzes,

com mil tons lilases e gases neon,

vi quasares sugados por buraco negro

em tela de Dali e verso de Drummond;

a voz de Elis ecoou dentro do big-bang,

fazendo o tempo render-se à canção

que Homero escreveu numa tarde, em Vênus,

enquanto valsavam Zeus e Piná!...

Voando sereno, nas asas do sonho,

montado em Pégasus,

nesse galope interestelar!

.

De volta à Terra, retomo a quimera,

bandeira maior de nossos ancestrais:

viver em harmonia, num mundo sem guerra,

sem dor, sem miséria, fome ou solidão,

em que toda ambição busque o bem-comum;

sento tudo tão belo tal Rio e Cancún,

selando, pra sempre, a paz derradeira

no beijo de Obama em Armadinejad!...

Voando sereno, nas asas do sonho,

montado em Pégasus,

nesse galope interestelar!

.
.
.

.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

June 27 2011

23:18

Sem Chão


SEM CHÃO
(André L. Soares)
.
Aquela coisa velha é
tábua,
paredes feias da
casa,
suja e repleta de
água,…
palafita fincada
sem chão.

Ali vive gente sem
nada,
bebendo e comendo onde
caga,
sonhando com uma cova
rasa…
– Inferno é essa vida
de cão!
.
.
.

Leia também:

Alma de Poesia /Gritos Verticais /Natureza Poética /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos


Filed under: Literatura, poema, poesia, Prosa Tagged: dinheiro, distribuição de renda, gente, injsutiça social, miséria, palafita, pobreza

April 15 2011

16:17

Punhal


(Foto: André L. Soares)
.
.
.
PUNHAL
(André L. Soares)
.
Em mim tudo termina,...
o ciúme, a cisma, a sina,
só o sangue quente continua
a escorrer, iluminado pela lua,
que acentua a tez do rubro,
até que esteja coagulado
no corte que agora encubro
com meu frio e afiado aço.
.
Em mim tens o inverso do carisma,...
a sina, o ciúme, a cisma,
quando tua mente se faz violenta
sou a bússola que te desorienta,
até que tornes efetivo o ato,
que jamais pensaras cometer,
parando só quando – de fato –
nada mais houver a se fazer.
.
Em mim tudo é gume,...
a cisma, a sina, o ciúme
– sementes do ódio e do rancor –,
e quando me empunhaste,
g
algaste o pódio da tragédia,
beijaste a morte e a miséria,...
sem que pudesses notar,
o diabo te dera um abraço.
.
.
.
.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

March 20 2011

20:59

Pájaro del Vino - Poema-Canción


(Foto: André L. Soares.
.
.
.
PÁJARO DEL VINO – POEMA-CANCIÓN
(Rubén Vedovaldi)
.
En medio del patio
soplaba la flauta
los parches latían
al ardor del canto
.
y amor era algo
que soltaba dulce
silencio de pájaro
.
la arena se amaba
con manos de niños
que alzaban cohetes
puentes y castillos
.
y vos derramaste
tu efímero sueño
de vino encendido
.
en medio del patio
la luna apoyaba
sus pies delicados
en alada danza
.
y yo deshojaba
las alas del sueño
por mis ojos de agua.
.
.
.
.
.
.
Gravado em disco compacto: ‘CUANDO LA PALABRA CANTA’, com o músico Carlos Medrano, na Argentina, no outono de 1999.
.
Esse belíssimo poema me foi gentilmente enviado pelo autor, o poeta argentino, Rubén Vedovaldi, a quem agradeço imensamente a gentileza, por permitir que eu postasse o texto aqui. Muitíssimo obrigado, ‘hermano’. Felicidade pra você,... hoje e sempre!
.
.
.
.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

March 07 2011

03:19

Metafísica em Xeque


(Foto: André L. Soares)
.
.
.
METAFÍSICA EM XEQUE
(André L. Soares)
.
Penso na vida e vejo estrada larga,
farta de musgo, em chão todo de pedras,
na qual se correm léguas e mais léguas,
para, no fim, servir de pasto às larvas.
.
E se, pra alguns, as horas passam calmas,
muitos padecem sós, lutando às cegas,
atrapalhados com as próprias pernas,
presos a um ponto inerte da jornada.
.
Nessa vereda reta, rumo ao nada
resta-nos crer nos sonhos e nos mitos
(mágica, sorte, fé, conto de fadas);...
.
depositando, desde muito cedo,
tanta esperança em deuses infinitos,
pra não morrermos loucos e com medo.
.
.
.

.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

March 03 2011

17:13

Flor Branca


(Foto: André L. Soares)
.
.
.
FLOR BRANCA
(André L. Soares)
.
Uma flor branca,...
numa noite escura,
pra mostrar que a vida
por ser mais dócil,
pode ser mais pura.
.
Uma flor branca,
alva formosura,...
cheiro da aventura
de roubar jardim.
.
Uma flor branca,...
frágil igual ternura,
madrugada a fora,
pra te lembrar que é hora
de lembrar de mim.
.
.
.

.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

March 02 2011

19:26

Dilema


(Foto: André L. Soares)
.
.

.
DILEMA
(André L. Soares)
.
Dilema de mulher
é servir Tróia e ser Helena;
voz macia, alma serena
e muita fome de viver.
.
Mulher nasce poema:...
sonhos grandes, mãos pequenas,
sem limites para o amor.
.
Sedutora,...
três raios de sol-e-chuva,
dez marés em sete luas,
cem leões em meio à arena,...
todos eles a seus pés!
.
.
.
.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

February 12 2011

13:11

Solidários


(Foto: André L. Soares)

.
.
.
SOLIDÁRIOS
(André L. Soares)
.
Ilhas de náufragos que se ajudam,
trocando apoio, mesmo que mínimo,
ainda que o esforço pareça infindo,
nunca lhes falta a esperança;...
ilhas de náufragos que ao mar se lançam,
ávidos por salvar mais vidas.
.
Podem essas rochas ser resistentes,...
ordem de homens que não se rendem,
enfrentando a fúria das tempestades
e todas as dores que nem são suas,
até que se alcancem os continentes.
.
.
.
.
.
.
Caros Leitores:
.
Sueli Gallacci, do blog ‘A Cor da Gente’, está com a filha internada e precisando, com urgência, de um transplante de rins. Há muita gente tentando ajudar de muitas maneiras: uma delas é multiplicando o ‘link’ [‘A Cor da Gente’] para a postagem onde ela fala desse momento tão difícil. Seja solidário e ajude também!
.
.
.
.

Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

December 03 2010

20:21

Sinuosa


(Foto: André L. Soares)
.
.
.
SINUOSA
(André L. Soares)
.
O teu gozo é um misto
de felicidade e dor,
como o sorriso
de uma escrava debochada,
acostumada ao chicote.
.
Paixão é o som do encanto
desse guiso
de serpente sinuosa,
que de repente
me enlaça e muda todo
o meu destino.
.
E eu que sonhei um dia
correr caminhos vagabundos
– cão-danado, atrevido paladino –,
quero agora ser somente
outra vítima (voluntária)
de teu bote.
.
.
.
.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

September 12 2010

16:12

Sobrevivente


(Foto: André L. Soares)
.
.
.
SOBREVIVENTE
(André L. Soares)
.
Diga aos escravocratas, aos cafetões, aos injustos,
aos racistas, aos corruptos, aos inimigos da paz;
fale nos latifúndios, sob o olhar dos coronéis,
grite aos assassinos, nos porões do submundo:
– Que, apesar de tanto estrago,...
o amor sobreviveu!
.
Anuncie aos tiranos, aos cobradores de impostos,
aos que nos querem mortos, ao patronato cruel;
piche o muro do quartel, publique em cada jornal,
avise aos donos do mundo, em saguões de aeroportos:
– Que, apesar de seus esforços,...
o amor sobreviveu!
.
.
.
.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

Older posts are this way If this message doesn't go away, click anywhere on the page to continue loading posts.
Could not load more posts
Maybe Soup is currently being updated? I'll try again automatically in a few seconds...
Just a second, loading more posts...
You've reached the end.